6 de julho de 2018

Alimentação

Oleaginosas: conheça alguns tipos e seus benefícios

As oleaginosas são sementes ricas de óleo, envolvidas por uma casca rígida e que podem ser consumidas in natura. Entre os principais tipos de oleaginosas estão alimentos muito conhecidos, como as nozes, as castanhas, a avelã, o amendoim e a amêndoa.

O alto teor de gordura boa desses produtos confere energia e, como também são fontes de vitaminas e minerais, colaboram para o bom funcionamento do organismo. Entenda os benefícios de algumas dessas sementes:

Castanha-do-pará: riquíssima em selênio, ajuda a fortalecer a imunidade e é antioxidante, o que ajuda a promover a renovação celular e atenuar os efeitos do envelhecimento precoce. Contribui ainda para o correto funcionamento da tireoide, já que estimula a produção dos hormônios T3 e T4. O consumo deve ser de 2 unidades diárias.

Nozes: com alto teor de fibras e proteínas, as oleaginosas contribuem para a sensação de saciedade e ajudam a controlar o nível de açúcar no sangue, facilitando o emagrecimento. Entre as oleaginosas, as nozes possuem maior teor de vitamina E, importante para proteger os vasos sanguíneos e controlar a pressão arterial. O consumo não deve passar de 4 unidades diárias.

Avelãs: rica em cálcio, magnésio e fibras, contribui para o bem-estar da saúde cardiovascular, protege as articulações e os ossos. É a principal oleaginosa para reduzir o colesterol ruim e elevar os níveis do colesterol bom. Dez unidades diárias já são suficientes para obter todos os benefícios desta semente.

Amêndoas: são excelentes fontes de agentes antioxidantes, fibras, vitamina E, cálcio, fósforo e magnésio. Seu consumo aumenta os níveis de energia, beneficia a saúde cardiovascular, previne o câncer e melhora o desenvolvimento do feto durante a gestação. O consumo não deve passar de 4 unidades diárias.

Macadâmia: uma das oleaginosas com maior teor de gordura e menor de carboidrato, a macadâmia é perfeita para quem faz dietas com restrição. Rica em flavonoides, compostos que reduzem as inflamações, também contêm ácidos graxos que atuam na redução de apetite e na queima de gordura. O consumo não deve passar de 4 unidades diárias.

A melhor forma de consumir as oleaginosas é in natura, sem aquecer. Isso porque ao serem aquecidas elas tendem a oxidar e ficar rançosas. Você pode optar por consumir um mix delas ou ainda um tipo por dia. Elas são bem versáteis e podem ser opções de lanches entre as refeições ou inseridas em saladas e outras receitas.

 

Veja também: A importância da reeducação alimentar