15 de Março de 2019

Saúde

Pintas na pele: saiba quando elas podem indicar problemas

Difícil conhecer quem não tenha diversas pintinhas espalhada pelo corpo, rosto, colo, braço… Elas são comuns e, na maioria das vezes, apenas charmosas.

As pessoas têm uma média de 20 a 30 pintas espalhadas pelo corpo com formatos e tamanhos diferentes. Seu visual é bem variado: vai do marrom ao bege, podendo ter relevo e pelos.

As pintas podem nos acompanhar desde o nascimento e surgem principalmente até a juventude. No entanto, é bom ficar de olho nas características e mudanças delas ao longo do tempo, pois pode haver pintas que representam riscos à saúde, como câncer de pele.

Calma, não é preciso arrancar as suas pintas, até porque isso não é recomendado. O que convém é prestar atenção a alguns sinais que indicam que a pinta pode ser sintoma de uma doença mais grave. A Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) recomenda utilizar o método ABCDE para avaliar casos suspeitos:

A) Assimetria: quando possuem lados desproporcionais.

B) Borda: quando são irregulares e com linhas tortas.

C) Cor: quando têm duas ou três tonalidades.

D) Diâmetro: quando possuem mais de meio centímetro.

E) Evolução: quando o crescimento é repentino e rápido.

Apesar de não determinar uma doença mais grave, o excesso de pintas pelo corpo, mesmo que normais, já é sinal de alerta. Estudos mostram que ter mais do que 50 é um fator de risco.

Algumas medidas simples podem ajudar a prevenir o desenvolvimento de problemas:

– Não exponha ao sol bebês com menos de 6 meses. Passada esta fase, abuse de chapéus, roupas e muito protetor solar.

– Pessoas com a pele mais clara correm maior risco de queimaduras solares, por isso, precisam ficar ainda mais atentas à aplicação do filtro solar.

– Prefira produtos com fator de proteção (FPS) superior a 30, e lembre-se de reaplicá-los a cada duas horas e após sair do mar ou da piscina. Para ajudar você, conte com a linha de protetores solares Sun Prime.

-Também é importante fazer um autoexame. Procure com regularidade na própria pele se algum sinal está diferente. Caso perceba algo suspeito, procure o dermatologista.

 

Veja também: Estações do ano e queda de cabelo: será que existe influência?